22/05/2024

Redes Sociais e a construção da autoimagem dos adolescentes

Redes Sociais e a construção da autoimagem dos adolescentes
Imagem de banco de imagem

“É importante que os adolescentes e jovens sejam acompanhados e que possam conversar sobre sua relação com as mídias. Escola e família precisam estar atentas para perceber quando o uso das redes sociais passa a ser prejudicial para as novas gerações.”

Desde o surgimento dos meios de comunicação de massa, especialmente com a televisão, percebe-se o fortalecimento de padrões de beleza e de comportamento ideais a que grande parte da população tenta se adequar e corresponder. Com o crescimento das mídias digitais e das tecnologias de edição e correção de imagens, esses padrões de beleza passam agora pelos sistemas de filtros e aplicativos disponíveis nos aparelhos celulares e nas próprias redes sociais, como é o caso do Instagram.

Diante disso, muitas pessoas começam a ter sérios problemas em relação a sua autoimagem e desejam corrigir a própria aparência para corresponder aos modelos e padrões criados por eles mesmos através das tecnologias utilizadas.

Dismorfia corporal
Esse problema é mais fortemente identificado entre as jovens adolescentes que, devido à superexposição nas redes sociais, começam a valorizar problemas estéticos minimamente perceptíveis ou até inexistentes. Isso é o que chamamos de dismorfia corporal. Embora seja mais comum entre as meninas no que diz respeito ao próprio rosto, pode acontecer também entre os meninos, geralmente associada à questão da musculação. Há vários estudos que apontam o uso frequente de selfies em redes sociais como uma das principais causas da dismorfia.

Esse é um problema novo, pois antes os padrões de beleza impostos pela mídia, vinham de fora, de pessoas reais, que tinham características corporais específicas como altura, peso, estilo de cabelo, maquiagem ou outros aspectos estéticos. Agora, o que vemos, no entanto, é um padrão criado pelos próprios indivíduos que, ao compararem inúmeras fotos pessoais e utilizarem diversas formas de aplicação, criam um modelo de beleza ideal para si mesmos. Não é incomum encontrar adolescentes ou jovens que querem fazer procedimentos estéticos para que tenham na aparência real uma maior semelhança com a imagem que criaram de si mesmos.

Educação integral
Além disso, muitos adolescentes e jovens acabam desenvolvendo problemas em relação à saúde mental por sentirem-se mal com a sua autoimagem, evitando fazer fotos, escondendo o rosto, o corpo ou parte dele para não se sentirem constrangidos diante dos outros. Isso pode gerar problemas como dificuldade de relacionamento, ansiedade, depressão, transtornos obsessivos-compulsivos, transtornos alimentares, entre outros que vêm sendo estudados.

Diante dessa realidade, é importante que os adolescentes e jovens sejam acompanhados e que possam conversar sobre sua relação com as mídias. Escola e família precisam estar atentas para perceber quando o uso das redes sociais passa a ser prejudicial para as novas gerações, desenvolvendo ações preventivas para que não cheguem a esses quadros patológicos. O processo educativo precisa considerar a pessoa como um todo e ser pensado a partir de sua integralidade em todos os aspectos da vida; e a relação com as mídias digitais é um aspecto muito importante para os adolescentes e jovens.

Apoio da família e da escola
Em relação à família, é importante que os pais acompanhem os filhos nas redes sociais, vejam o que publicam e com que periodicidade. Precisam estar atentos e perceber quando começa a haver uma superexposição e quando o tempo gasto nos ambientes virtuais é demasiado grande. É importante que os pais conversem com os filhos sobre suas publicações, que os ajudem a construir uma imagem positiva de si mesmos e compreenderem que não precisam encaixar-se em padrões criados por outros ou por eles mesmos.

Da mesma forma, nos ambientes educativos é importante desenvolver atividades e reflexões a respeito da atuação dos estudantes nas mídias digitais, a partir de um ponto de vista crítico. É fundamental que existam itinerários formativos que abordem as relações entre as pessoas e com as tecnologias nos espaços midiáticos, e que se reflita sobre até que ponto esses espaços influenciam o comportamento pessoal, a visão de mundo, a relação com o outro e consigo mesmo.

No mundo atual, viver longe das mídias digitais é quase impossível. Mais cedo ou mais tarde, os adolescentes e jovens vão estar inseridos nesses espaços. Mas, para que possam agir como cidadãos conscientes e como pessoas integradas e felizes, precisam ser preparados para isso. Assim, é uma necessidade e uma responsabilidades das escolas e obras educativas em geral pensar em processos sistemáticos de educação midiática. E isso só será realmente eficaz se contar com o apoio e parceria da família.

 

Fonte: Boletim Salesiano - Escrito por Ir. Márcia Koffermann, FMA

Mais Recentes

Editora Edebê é patrocinadora do Selo ODS Educação

A Editora Edebê, comprometida com a transformação social e a educação de qualidade, se tornou a patrocinadora nacional do Selo ODS Educação 2024-2025. Esta é uma iniciativa que busca reconhecer e estimular práticas sustentáveis nas instituições de ensino, alinhadas aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), especialmente o ODS-4: Educação de Qualidade. O PAPEL DA EDITORA EDEBÊ Conhecida por seu compromisso com a educação de qualidade, a Edebê vê no Selo ODS Educação uma oportunidade de potencializar sua missão. Ao patrocinar esta iniciativa, a Editora reafirma seu compromisso com a transformação social por meio da educação que é a base para o desenvolvimento sustentável e a construção de um futuro melhor. O patrocínio da Edebê é um passo significativo para a promoção dos ODS na educação. Através desta parceria, espera-se que mais instituições de ensino sejam motivadas a adotar e implementar práticas que contribuam para a Agenda 2030, criando um impacto positivo na sociedade e no meio ambiente. A IMPORTÂNCIA DO SELO ODS EDUCAÇÃO O Selo ODS Educação visa reconhecer iniciativas que contribuem com os ODS, estimulando a participação das instituições de ensino nas metas da Agenda 2030. Utilizando uma tecnologia social de reconhecimento, o selo destaca boas práticas e soluções das instituições participantes, engajando a comunidade acadêmica na criação de práticas sustentáveis para um mundo mais justo e inclusivo. O PROPÓSITO DO SELO ODS EDUCAÇÃO A iniciativa do Selo ODS Educação é parte da estratégia de implementação da Agenda 2030 no Brasil. Ela visa a internalização dos objetivos globais e sua aplicação nas diversas localidades brasileiras, por meio de um programa de reconhecimento que busca ativar a capacidade transformadora das instituições de ensino. Ao incorporar os ODS e outros índices de desenvolvimento em suas ações de gestão, ensino, pesquisa e extensão, essas instituições podem desempenhar um papel crucial na promoção de um desenvolvimento sustentável. Saiba mais em: www.seloods.org. Fonte: Editora Edebê

Festival Global de Cinema Juvenil Dom Bosco 2024

Festival faz convite aos jovens para a construção conjunta de um futuro mais verde e sustentável

RSB no Webinar de Comunicação da UISG

Evento aborda o tema “Comunicação e Sinodalidade: Reflexões e práticas para uma Igreja em diálogo”

Receba as novidades no seu e-mail

O futuro que você merece
Somos Rede

Siga a RSB nas redes sociais:

2024 © Rede Salesiana Brasil